28 de fev de 2006

Microsoft Tax

Outro dia estava lendo o artigo Repeal the Microsoft Tax, de Evan Maloney. Ele critica o monopolismo da Microsoft com argumentos sensatos, e num trecho ele faz uma analogia do mercado de software com o mercado de aparelhos de fax. Tomei a liberdade de traduzir um trecho, que reproduzo a seguir:

Mercados para sistemas de comunicação desenvolvem-se de modo diferente, dependendo se um dado protocolo torna-se padrão e se esse padrão é aberto ou proprietário. Geralmente, um dos três cenários abaixo ocorre:

- A primeira possibilidade é que nenhum protocolo - seja aberto ou proprietário - atinja massa crítica no mercado. Digamos que existam cinco fabricantes de aparelhos de fax, todos usando protocolos incompatíveis, e cada um obtenha 20% do mercado. Qualquer aparelho de fax comprado é, portanto, limitado a se comunicar apenas com 20% dos aparelhos em uso. A utilidade dos aparelhos é limitada, o que diminui a demanda para eles. Na ausência de um padrão, o mercado fica estagnado.

- Outra possibilidade é que um protocolo aberto torne-se padrão, que é o que realmente ocorreu no caso dos aparelhos de fax. Diferente do que ocorre no primeiro cenário, o mercado não é restrito pela fragmentação. A rede crescerá muito mais, levando a uma maior utilidade dos aparelhos de fax. E, como nenhuma companhia controla o protocolo sozinha, aparelhos de fax viram commodities, criando competição de preço entre os fabricantes. Esse cenário fornece a maior utilidade e o menos custo para o consumidor, mas é o menos desejável para os fabricantes com ambições monopolistas.

- No terceiro cenário, um protocolo proprietário domina o mercado. Por exemplo, digamos que uma companhia desenvolve um aparelho de fax incompatível com todos os outros, e a companhia captura um grande market-share através de uma excelente campanha de marketing. Nesse caso, os aparelhos de fax deste fabricante têm maior utilidade, enquanto o resto - incapazes de se comunicar com os aparelhos de fax do fabricante dominante - tornam-se virtualmente inúteis. Consumidores querendo a funcionalidade de enviar e receber fax não têm escolha a não ser comprar do líder de mercado. Um monopólio é criado, solidificado pela inversão do custo: enfrentar o fabricante dominante requer substituir a maioria os aparelhos de fax em uso, o que tem um custo proibitivo. Uma vez que um protocolo proprietário torna-se padrão, monopólios podem ser construídos facilmente e defendidos sem esforço.

Vejam como é simples: basta que o Microsoft Office NÃO seja capaz de trabalhar com documentos no formato aberto ODF (Open Document Format), utilizado pelo Open Office, e pronto. Se o pacote de aplicativos de escritório for uma commodity, as empresas terão que competir por coisas como preço e qualidade. Isso sim é competição saudável!

2 comentários:

Vinicius Depizzol disse...

Muito interessante a comparação.

Blog Giancarlo Hogan disse...

Legal...
Acho interessante, ter uma via padrão.