6 de fev de 2011

Reforma no Futebol Brasileiro

A eliminação precoce do Corinthians na Copa Libertadores 2011, apesar de merecida, escancara um problema que existe há anos no futebol brasileiro: o calendário mal feito. O maior defeito é a "punição" aos melhores times (que estão na Libertadores): eles disputam apenas a Libertadores e o Brasileirão. Os demais times jogam, além do Brasileirão, a Copa do Brasil e a Sulamericana.

Além do calendário ruim, existe o problema das divisões inferiores, que em geral são deficitárias. O Brasil, com suas dimensões continentais, precisa regionalizar as séries C e D e criar mais divisões. Os estaduais poderiam ser usado como base da pirâmide, como se fossem séries E, F, etc, criando um caminho formal entre um time de bairro e a Série A.

Calendário

A Copa do Brasil deveria ir para o segundo semestre. Ao invés de disputar datas com a Libertadores, disputaria datas com a Sulamericana. As duas competições seriam quase equiparadas, pois ambas dão vaga à Libertadores do ano seguinte. Os times lutariam para estar na Sulamericana e a Copa do Brasil seria um prêmio de consolação pra quem não conseguir.

Seria essencial mudar a distribuição de vagas da Sulamericana: ao invés de punir os times que estão na Libertadores, deixando-os ociosos no segundo semestre, permitir que eles joguem também a Sulamericana ou a Copa do Brasil. Os times que jogaram a Libertadores seriam colocados em ordem de classificação: os três melhores iriam para a Sulamericana e os demais iriam para a Copa do Brasil. Assim, se apenas três times brasileiros passarem para as oitavas, já garantem vaga na Sulamericana. A organizadíssima UEFA faz assim: alguns times eliminados na Champions League ganham vaga na Europa Cup.

As vagas da Sulamericana via Brasileiro seriam reduzidas para cinco ao invés de oito, o que aumentaria a disputa na reta final e reduziria a chance de termos times "de férias" no final do Brasileiro entregando jogos. A Copa do Brasil seria valorizada com a presença de times que jogaram a Libertadores no primeiro semestre.

Regionalização

As Séries A e B estão bem organizadas e são lucrativas, não é preciso mexer nelas. As demais, no entanto, ainda podem melhorar bastante. Uma sugestão é regionalizar as divisões inferiores: a Série C poderia ser dividida em, digamos, 4 regionais. A Série B rebaixaria os 4 últimos, como é hoje; seriam promovidos os campeões de cada uma das 4 regionais. As equipes precisariam viajar menos e as rivalidades regionais poderiam ser melhor exploradas.

Para garantir a simpatia das federações estaduais, a CBF poderia simplesmente definir quais são as 4 regiões (exemplo: Sul, Sudeste, Nordeste e Norte/Centro-Oeste), dando total autonomia às federações estaduais para definir o regulamento, bastando que no final indiquem à CBF um campeão. Já pensou uma Copa Nordeste no segundo semestre dando vaga na Série B do ano seguinte? As datas seriam as mesmas da Copa do Brasil e da Sulamericana, somente para times que não jogarem nenhuma das duas. Seria uma forma de ter uma Série C rentável e valorizando as rivalidades regionais, mantendo mais times ativos o ano inteiro.

Da mesma forma, a Série D poderia ser ainda mais regionalizada, dentro dos estados. As atuais Copas Estaduais, que muitas federações estaduais criaram para manter as equipes ativas no segundo semestre, dariam vagas na Série C. As divisões inferiores dentro dos estados, se houverem, seriam as séries E, F, etc. Assim, poderiam existir campeonatos citadinos que valeriam vaga numa divisão superior; grandes cidades podem ter até divisões inferiores por bairros.

Conclusão

Esta estrutura em pirâmide existe em vários países. Nos EUA, país com dimensões similares ao Brasil, há ligas regionais até dentro dos estados que usam pontos corridos e mantém as equipes (de vários esportes) ativas a temporada inteira. Na Inglaterra, um país bem menor, há uma estrutura de pirâmide com quase 10 divisões onde até mesmo times de bairros podem sonhar com a Premier League.

Um calendário mais inteligente, que mantenha mais equipes ativas por mais tempo, é essencial para a viabilização do futebol em divisões inferiores e para o melhor aproveitamento das equipes nas divisões superiores. Que a eliminação do Corinthians na Libertadores 2011 sirva pelo menos para reflexão.