18 de fev de 2008

Não existe direita no Brasil

Trecho da entrevista de Fernando Henrique Cardoso à Revista Veja de 22 de março de 2006 (edição 1948):

Pode-se concluir que o senhor se considera de esquerda?
Sim, me considero. Mas da esquerda democrática, à la Bobbio [Norberto Bobbio (1909-2004), filósofo e cientista político italiano]. Sou de esquerda quanto à defesa de valores como a justiça social e a igualdade.

Por que nenhum político brasileiro diz que é de direita?
Porque no Brasil a palavra "direita" está associada historicamente à ditadura. É uma questão semântica. Mas existe um outro lado: não existe direita no Brasil, no sentido clássico do conceito. Fiquei impressionado, certa vez, com uma intervenção do Sérgio Buarque de Holanda. Foi na defesa de uma tese de livre-docência sobre os estilos de pensamento político no Brasil do século XIX. A autora estabelecia uma diferença entre o marquês de Paraná, figura maior do pensamento conservador, e Joaquim Nabuco, expoente do pensamento progressista, quando o Sérgio Buarque fez um aparte: "A senhora acha que esses homens do império eram realmente conservadores, leram Burke [o pensador irlandês Edmund Burke (1729-1797), considerado o pai do conservadorismo] ou eles eram atrasados?" Pois é isso: no Brasil, mais do que conservadorismo, temos uma mentalidade atrasada. O pensamento conservador filia-se a uma tradição ocidental que estabelece como pilar da ordem a família, a propriedade, os costumes. O nosso conservadorismo não é nada disso. Tem a ver com clientelismo, patrimonialismo, uso indevido dos recursos do Estado. Ele não é composto de um ideário, e sim de aproveitadores. Por que a "direita", no Brasil, apóia todos os governos, não importa qual? Na história recente, ela apoiou os militares, apoiou o Sarney, apoiou o Collor, apoiou a mim, apóia o Lula. Porque seus integrantes não são de direita. Essa gente toda só quer estar perto do Estado, tirar vantagens dele. É claro que um e outro podem ser convertidos de "maus" em "bons". Mas o grosso desse pessoal continua a ser fisiológico.


Isso é uma pena, pois se houvesse direita pelo menos haveria debates ideológicos. Hoje o debate político se resume a tentar descobrir quem rouba mais... pois a imensa maioria dos políticos que estão aí são, simplesmente, fisiológicos. Os políticos querem apenas votos -- nada mais -- e a melhor maneira de conseguir votos é distribuindo vantagens. Seja na forma de cargos, seja na forma de contratos para empresários amigos, seja na forma de emendas orçamentárias, tudo que os políticos querem é tirar uma fatia do dinheiro público para seu próprio interesse.